Tramitam na Câmara Municipal de Marabá (CMM) dois requerimentos de autoria do presidente da Casa, vereador Miguelito, que se aprovados beneficiarão diretamente os moradores da Vila Sororó, localizada a 35 km de Marabá, na rodovia BR 155.

O primeiro requerimento dispõe sobre a implantação de micro sistema de abastecimento de água. O segundo pede instalação de um posto de atendimento da Caixa Econômica Federal.

Em sua justificativa para implantar o micro sistema de abastecimento de água o vereador destaca "as dificuldades enfrentadas por moradores daquela localidade no que tange no abastecimento de água potável, devendo para tanto a Prefeitura Municipal de Marabá, viabilizar por meio de convênio junto à FUNASA o financiamento da obra", argumenta. 

Já em relação ao posto de atendimento da Caixa, o vereador justifica que os moradores da vila têm dificuldade para ter acesso aos mais diversos serviços bancários, tendo que se locomoverem até Marabá. Miguelito frisa ainda que "aquela localidade já possui viabilidade econômica financeira para a instalação do referido posto de atendimento", conclui.

Na mesma sessão o vereador pede ainda a construção de uma Capela Mortuária no Cemitério da Saudade na Folha 29, Nova Marabá, para as famílias velarem seus entes queridos.

 

 

 

Nesta quinta-feira (7), o prefeito de Marabá, João Salame, esteve com a ministra da Agricultura, Katia Abreu, em Brasília (DF). Na oportunidade ele acertou com a ministra a realização de uma reunião com prefeitos, secretários de Agricultura e entidades ligadas à produção rural para debater a implantação de políticas do governo federal para o campo na região sul e sudeste do Pará.

A prefeitura de Marabá ficou incumbida de preparar a agenda e a pauta do encontro junto a prefeitos, deputados, senadores e representantes de entidades.

“A ministra Katia Abreu assegurou que vai convidar para o encontro a presidência nacional do Incra, o ministro do Desenvolvimento Agrário e a Embrapa. O evento deve ocorrer no dia 25 ou 26 de junho”, informou Salame.

O investimento em iniciativas que visem melhorar a produção agrícola da região pode ser uma válvula de escape para recuperar o crescimento econômico do sul e sudeste do Pará, cujo potencial é enorme, mas os resultados não refletem no PIB regional.

Estavam comigo o prefeito de Marabá na reunião o ex-deputado Zé Lima e a prefeita de Novo Repartimento, Valmira Lima. (Com informações do site marabanoticias.com)

 

Na terça-feira (28), uma comitiva de vereadores da Câmara Municipal de Marabá (CMM) manteve audiências em Brasília (DF), com a Bancada Federal do Pará, técnicos do Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (DNIT) e Ministro dos Transportes. Na ocasião foram debatidos diversos temas que dizem respeito à infraestrutura de Marabá e região.

Do encontro saíram algumas definições. Ficou definido, por exemplo, o cronograma das obras para a recuperação das rodovias federais BR-155 e BR-158. Outra reunião ficou agendada para o dia 5 de maio, ocasião em que serão debatidos detalhes sobre o lançamento do edital de licitação para a derrocamento do Pedral do Lourenço, além da duplicação de trecho da BR-222, entre Morada Nova e o Distrito Industrial de Marabá (DIM).

Além disso, os vereadores protocolaram um ofício com solicitação ao DNIT para uma reunião em Marabá para tratar sobre a construção da Hidrelétrica de Marabá, segundo informou o vereador Coronel Araújo, por meio das redes sociais.

Após discurso firme de repúdio à forma como foi realizada a Audiência Pública do Plano Plurianual 2016-2019 do governo do Pará, o deputado João Chamon se retirou do local como forma de protesto. O parlamentar considerou inaceitável que reunião de tamanha importância tenha sido realizada à 10 km do centro de Marabá, no Parque de Exposição e sem o amplo conhecimento da sociedade civil organizada da região de Carajás.

Foi na manhã desta terça-feira (5), em Marabá, quando uma mesa foi formada para abertura do evento. Chamon percebeu que a maioria dos ocupantes das cadeiras era de servidores públicos do próprio estado, convidados para reforçar a plateia. O parlamentar não se intimidou e declarou que a audiência não estava tendo legitimidade e que o seu formato estava errado.

O evento foi aberto oficialmente pelo Secretário de Estado de Planejamento, José Roberto Colares e contou com a presença do também deputado Estadual Dirceu Ten Caten (PT), além dos prefeitos: Benjamin Tasca (Itupiranga), Pedro Patrício Medeiros (São João do Araguaia) e Jeová Andrade (Canaã dos Carajás).

VALORIZAÇÃO

Chamon aproveitou para defender que o Governo do Estado reveja a sua política de valorização dos profissionais da Polícia Militar que em nossa região enfrentam dificuldades com a falta de infraestrutura e equipamentos de trabalho, além de um baixo contingente regional que prejudica o comando local em atender as demandas de uma região que cresce em ritmo acelerado e para onde convergem massas humanas cuja mobilidade exige um olhar planejado sobre as políticas públicas em vários setores da sociedade.

EDUCAÇÃO

O deputado cobrou um posicionamento mais humano do governo em relação a greve dos professores e se disse preocupado com a qualidade da educação, considerando a situação crítica das condições de trabalho dos professores que tem levado a greve a um patamar preocupante e lamentável.

Chamon lembrou também sobre a crise do Sistema Modular de Ensino que pela sua incapacidade de atender as demandas regionais do Ensino Médio se tornou obsoleto e ultrapassado. Para o nosso deputado, esta modalidade de atendimento surgiu para atender os municípios de forma provisória, quando o Estado não oferecia a oferta regular para o Ensino Médio. Finalizou dizendo que é preciso que se reveja este problema que de provisório se tornou permanente.

 

Na manhã desta terça-feira (28), professores filiados ao Sindicato dos Trabalhadores na Educação Pública do Pará (Sintepp), em Marabá, realizaram grande ato público pelas ruas do Núcleo Cidade Nova, com concentração em frente à Escola Estadual Anísio Teixeira e contando com a presença de um bom número de servidores, alunos e representantes de movimentos sociais como o MAB - Movimento dos Atingidos por Barragens – e estudantes do curso de Ciência Sociais da Universidade Federal do Sul e Sudeste do Pará (Unifesspa).

O principal ponto percorrido durante a caminhada foi a Avenida Nagib Mutran, no centro da Cidade Nova, até chegar em frente à sede da 4ª Unidade Regional de Ensino (URE), onde foi realizada uma assembleia na qual os professores ratificaram a decisão de permanência na greve na rede estadual de ensino, que já dura mais de um mês.

A pauta de reivindicação dos professores é extensa, mas o principal ponto é o pagamento do piso salarial nacional, sem parcelamento. Mas há pelo menos 30 itens. Eles querem eleição direta para direção de escolas, como já acontece na rede estadual em Marabá; reforma nas escolas, merenda escolar e pagamento do retroativo da mudança do percentual de hora atividade de 2014, tal qual firmado em acordo judicial.

Os professionais querem também a realização de concurso público, lotação dos especialistas em educação levando som conta os níveis de ensino ofertados (fundamental, médio e EJA) e turno e considerar a hora aula dos docentes que já fazem parte do grupo magistério e 1/3 da carga horária para organizar as ações pedagógicas.

Também é pauta do movimento grevista a lotação de 2015, assegurando a jornada, destinando no mínimo de 1/3 de hora atividade de acordo com a lei do Piso Salarial Profissional Nacional do Magistério Público.

Outra coisa que ainda não foi cumprida pelo governo do Estado é o Plano de Cargos, Carreira e Remuneração (PCCR), assim como o pagamento do recesso com o novo piso, reajuste do vale alimentação, com base no maior valor pago hoje e cumprimento das 200 h/aulas sem redução de turma/salário como critério para lotação.