Algumas empresas de maquinários agrícolas que não puderam participar da Expoama, em 2016, conseguiram vir esse ano. Um exemplo é a Caterpillar que vai promover uma palestra sobre operação e manutenção de escavadeiras hidráulicas, na sexta-feira, dia 14. Outra novidade da Exposição Agropecuária de Marabá é o estande da Polícia Rodoviária Federal (PRF) que mostra os riscos de acidentes por falta de atenção, vídeos educativos e materiais usados nas fiscalizações como o etilômetro, o famoso bafômetro, que mede o nível de álcool ingerido pelo condutor.  

Segundo o agente Thales Pironi, “um carro acidentado é uma coisa impactante. O nosso estande, além de mostrar os equipamentos usados pela PRF e pelo DMTU, pretende alertar passageiros e condutores sobre os dispositivos de segurança, de não beber e dirigir. Atualmente, é muito comum a prática de digitar e dirigir por causa das redes sociais, o que tem causado acidentes sérios. Escolhemos a Expoama, porque é um dos maiores eventos da cidade, todo mundo vem visitar e o parque fica às margens da rodovia, o que é mais um motivo para alertar os condutores da importância de conscientização de um trânsito seguro”, disse.

O motorista Antônio Neto gostou do que viu e aprendeu no estande da PRF. “No trânsito, em segundos, acontece um acidente. Então é bom para tirar dúvidas, aprender coisas novas, ver como é o dia a dia dos agentes”.

Um estande que chama a atenção, presente na feira pela primeira vez, é o de energia solar e segurança. Lá é possível ver algumas placas solares que podem ser usadas separadas ou integradas aos dispositivos de segurança do imóvel. O produto tem começado a ganhar espaço junto aos produtores rurais porque a energia no campo cai com frequência. Elton Pedro, dono da empresa, explica que para montar um sistema de energia solar é necessário fazer um projeto e orçamento baseados nos utensílios e eletrônicos do imóvel. A empresa disponibiliza vários kits, o mais básico tem capacidade para mil watts.

“O sistema faz a captação, no modo offgrid com bateria, ele passa por um controlador de carga, vai para a bateria, em seguida para o inversor, para ligar os equipamentos. Hoje tem também o sistema ongrid que é ligado à rede, formado pela placa e o controlador. Durante o dia, usa-se com a placa e, à noite, a rede elétrica. Se chegar um ponto de gerar muita energia, ela será injetada na rede da concessionária, o que vai gerar um crédito que pode ser descontado em outra unidade consumidora cadastrado com o mesmo CPF”, explicou o proprietário.

Apesar de não ser novidade para quem sempre visita a Expoama, um estande bem visitado é a Feira de Artesanato promovida pela Secretária Municipal de Assistência Social. O público pode levar para casa bijuterias, artigos de decoração, roupas, objetos religiosos - peças únicas, confeccionadas por 30 dos 100 artesãos cadastrados na SEASP.

“É um ganho muito grande para os próprios artesãos que têm um espaço para mostrar e vender os produtos. Nós temos sempre que incentivar e a gente está atrás do microcrédito para impulsionar outras famílias que não tenham outra fonte de renda e possam trabalhar com artesanato”, contou Nadja Lúcia, secretária de Assistência Social de Marabá.

Passeando pelo parque é difícil não parar para admirar os móveis rústicos fabricados manualmente por uma família de Novo Repartimento. Uma raiz ou um tronco de uma árvore morta ou caída na mata se transformam em apoios de mesa, escrivaninha, espelho e outros objetos.  Comparado aos preços de lojas do ramo, os valores são muito mais em conta e os proprietários fazem entregas até para outros estados.

“Os pés são de madeiras reaproveitáveis, toras de derrubadas, abandonadas, velhas, que apodreceriam na mata. A gente vende bastante pelo diferencial, porque fica o mais rústico possível”, contou Kauilly Conceição, uma das vendedoras.

(Fonte: Ascom Expoama)

 

 

O Conjove – Conselho de Jovens Empresários de Marabá – e a ACIM – Associação Comercial e Industrial de Marabá – realizarão a 2ª edição do Liquida Geral nos dias 6 e 7 de outubro. “A campanha tem como principais objetivos: Fortalecimento e União das entidades empresariais, promover o aquecimento das vendas e recuperação de crédito das empresas nas principais ruas comerciais de Marabá e estimular a criação de novas empresas e geração de renda nos setores produtivos da economia local”, ressalta Caetano Reis, Presidente do Conjove Marabá.

Na 2ª edição de Marabá, Conjove e ACIM esperam a adesão de 150 empresas no mínimo e será oferecido o suporte nas áreas de crédito e cobrança e em vendas como a realização do Seminário de Proteção ao Crédito, com palestra destinada a empresários e analistas de crédito e a palestra motivacional destinada a um número maior de comerciários, no intuito de orientar sobre as técnicas de vendas, atendimento e negociação.

Para realização do evento, os organizadores contam com o suporte e coordenação do SEBRAE – Serviço Brasileiro de Apoio a Micro e Pequena Empresa e o Apoio Institucional do SINDICOM – Sindicato Patronal do Comercio Varejista de Marabá, do CDL – Câmara dos Dirigentes Lojistas de Marabá e da SICOM – Secretaria Municipal de Indústria, Comércio, Mineração, Ciência e Tecnologia de Marabá.

O sucesso do evento através da aceitação das empresas e o aumento considerável do volume de negócios realizados credenciaram sua repetição para este ano. Neste sentido, espera-se repetir o grande sucesso do ano passado, quando 80% das empresas participantes tiveram suas vendas em níveis melhores do que o Natal de 2015, e 70% melhores do que o Natal de 2016, dois meses depois do evento.

“Entendendo a importância desse momento da economia para de fato construir uma nova realidade, capturando as oportunidades de negócio ao tempo em que enfatiza a importância do fluxo comercial e de negócio como fatores de desenvolvimento, é que levaram as entidades de classe a impulsionar o potencial dos micros, pequenas e médias empresas do município, através de eventos da classe empresarial, que propiciem o aumento de vendas e atraiam cada vez mais clientes”, alinhavou Caetano.

 

Um encontro nesta no Sebrae, entre secretarias municipais de Agricultura, Educação, Indústria e Comércio e o próprio Sebrae – Serviço Apoio Micro e Pequena Empresa – objetivou o estudo de estratégias com o intuito de incrementar a produção da agricultura familiar no cardápio da merenda escolar do município, que hoje se encontra na faixa de 20% de todo o consumo estudantil.

Segundo Milton França, técnico em Agropecuária da Seagri, a intenção é que, num primeiro momento, esse percentual de produtos dos micros e pequenos agricultores ultrapasse a casa dos 30% e nos próximos anos melhore gradativamente o leque de produtos consumidos nas escolas públicas de Marabá.

Indagado acerca das providências para a melhoria da produção, França afirmou que o prefeito Tião Miranda ordenou a manutenção do maquinário da Seagri com vista à mecanização agrícola da safra, um passo importante na melhoria da produtividade.

Outra providência é no sentido de encaminhar à Câmara Municipal de Marabá, projeto de lei para fiscalização da agroindústria pelo município. “Hoje, somente três indústrias de polpa de frutas tem CIF, federal”, observa, dizendo que é necessário aumentar a abrangência dessa fiscalização, incluindo também pequenos laticínios para que fornecem leite e queijo à merenda escolar.

Presente à reunião, o vice-prefeito Toni Cunha acenou para a melhora da estrutura e organização das feiras de Marabá.

(Fonte: PMM)

Após o lançamento pelo governo federal da concessão apenas do trecho sul da ferrovia Norte Sul, entre os municípios Porto Nacional (Tocantins) e Estrela D'Oeste (São Paulo), cujo edital deverá ser disponibilizado em 14 de novembro, o secretário estadual de Desenvolvimento Econômico, Adnan Demachki, e o senador Flexa Ribeiro (PSDB-PA) estiveram com o ministro dos Transportes, Maurício Quintella, e equipe para tratar do outro trecho da ferrovia, o trecho Norte, que deverá interligar a cidade de Açailândia, no Maranhão, ao porto de Barcarena, no nordeste paraense, mas por intermédio da Ferrovia Paraense, projeto do Governo do Pará já adotado pelo governo federal como a perna norte da ferrovia Norte Sul.

A Secretaria Especial do Programa de Parcerias de Investimentos, chefiada pelo ministro Moreira Franco, informou via ofício ao Governo do Pará a intenção de viabilizar o projeto da Ferrovia Paraense. "O projeto ligará a Ferrovia Norte-Sul ao porto de Vila do Conde, razão pela qual o trecho Açailândia a Barcarena não foi qualificado pelo Conselho do PPI no escopo da Ferrovia Norte-Sul'', diz o documento.

Na reunião com o ministro Quintella, esta semana, o secretário Adnan Demachki apresentou o estágio do processo da ferrovia paraense, os estudos de viabilidade, o processo de licenciamento ambiental e a informação dos players interessados. As duas equipes técnicas, do governo federal e do governo do Estado, deverão se encontrar em Brasília numa reunião de trabalho até o final deste mês.

O projeto

O projeto da Ferrovia Paraense prevê 1.312 quilômetros de extensão que passará por 23 municípios, interligando o leste do Pará de norte a sul. O empreendimento conectará Barcarena, no norte do Estado, à Santana do Araguaia, no sul paraense. São previstos aproximadamente 70 mil empregos diretos e indiretos durante a execução da obra, cujo custo está estimado em 14 bilhões de reais.

O Relatório de Impacto Ambiental (RIMA) referente ao projeto encontra-se à disposição de interessados para consulta no Núcleo de Documentação e Arquivo da Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Sustentabilidade (Semas), na travessa Lomas Valentinas, 2717, bairro do Marco, em Belém. A Secretaria de Estado de Desenvolvimento Econômico também informa que o citado documento está acessível no site do órgão, pelo endereço eletrônico http://sedeme.com.br/portal/.

(Fonte: Agência Pará)

O tema “Chega de Mão Grande” foi o mote da campanha nacional em 2017, foram realizadas mais de 500 ações em 180 cidades do país. Mais de 1 milhão de pessoas diretamente impactadas. O Feirão do Imposto tem deixado sua marca na consciência.

Em Marabá, mais de 3 mil pessoas foram envolvidas e o Volume de negócios foi na ordem de R$ 70.000,00 e sem Impostos foi na casa dos R$ 32.000,00 nesses 3 dias de eventos. Tudo isso graças ao engajamento dos Jovens Empresários do CONJOVE – Conselho de Jovens Empresários de Marabá, entidade responsável por organizar o Feirão do Imposto em Marabá, desde 2010. O CONJOVE é uma entidade vinculada a ACIM – Associação Comercial e Industrial de Marabá.

Caetano Candido dos Reis Neto, Presidente do CONJOVE diz que o trabalho iniciou na primeira semana de Maio, realizando 3 ações de Cidadania Fiscal nas faculdades Metropolitana, Carajás e Unopar, respectivamente, além de informar aos vereadores de Marabá, em evento na Câmara Municipal, sobre o tamanho do impacto dos impostos no dia a dia da população.

Nos dias 25, 26 e 27 foram de Ações Sociais com 2 dias para doação de sangue no HEMOPA Marabá, aonde as doações superaram a média dos dias em mais de 50% o banco de sangue do hemocentro. Vendemos Pizzas e Park de Diversões sem Impostos no Turbilhão Park no dia 25, Almoço sem Impostos na Tertúlia Churrascaria e Cinema sem Imposto no CINE A do Shopping Verdes Mares no dia 26. Já no dia 27, o grande dia de ações do Feirão do Imposto, foi vendido 3.500 mil litros de Gasolina sem Impostos e Chopp sem Impostos no Posto Vitória – Ipiranga e a noite a Cia Paulista de Pizza vendeu Pizzas sem Imposto, fechando a programação do VII Feirão do Imposto em Marabá.

Missão do Feirão

Esta ação tem o caráter apartidário e são desenvolvidas para educar a população a respeito do quanto se paga em impostos. A partir dessa mobilização, o Feirão se tornou uma ação muito importante para Marabá, com o foco na conscientização de quanto se paga em impostos e no acompanhamento da destinação dos tributos recolhidos.