Com show infantil animado pela atração “Villa Kids Festival” e a final do rodeio profissional em cavalos e touros, a 31ª Exposição Agropecuária de Marabá fechou a programação de nove dias. Apesar de todo o receio de realizar o evento, o Sindicato dos Produtores Rurais avalia que a feira foi um sucesso. Mesmo diante da crise econômica que o país tem enfrentado, a Expoama 2017 conseguiu uma movimentação financeira na casa dos R$32 milhões, R$12 milhões só com a comercialização de mais de dez mil cabeças de gado nos oito leilões. Segundo o presidente do SPRM Antônio Vieira Caetano, entre os expositores, os setores de veículos e implementos agrícolas foram os que obtiveram maior número de vendas, impulsionados pelos contratos de financiamentos do Banco do Brasil e Banco da Amazônia.

“A Expoama superou as expectativas que a gente tinha, devido à crise, principalmente na pecuária, com fatos nacionais e estaduais e delação da JBS, o que deixou o mercado do boi enfraquecido. Estávamos com certo receio, mas, graças a Deus, comercializamos mais de 10.800 reses (animais), o que gerou uma movimentação de R$12 milhões. Em relação aos implementos e veículos, as vendas foram melhores que as do ano passado, geraram cerca de R$20 milhões. De modo geral, a feira em si foi ótima”, ressaltou Antônio Vieira Caetano.

Com um público estimado em 13 mil pessoas que circularam pelo parque diariamente, a Expoama é um evento caro, custa em média R$1,5 milhão, R$300 mil só com o rodeio. Antônio Vieira Caetano explica que a feira não é apenas para o produtor rural, mas para toda a população. Uma exposição que movimenta a região, a rede hoteleira e aquece o comércio muito mais que o Natal com vendas de roupas e acessórios.

Vale destacar que a prova de marcha de muares tem crescido. A competição, realizada pelo quarto ano consecutivo, significa espaço para os amantes de cavalos competirem e também para os criadores divulgarem a produção de animais, principalmente das raças Mangalarga e Campolino.

Uma das reclamações da Expoama 2017 foi em relação à cobrança do estacionamento. O presidente do SPRM pontuou que a decisão foi para ajudar na realização da feira, já que o sindicato não disponibilizava de recursos e ressaltou que a contratação de uma empresa terceirizada para o estacionamento promoveu mais segurança aos veículos.

Como este ano tem eleições para formar a nova diretoria do sindicato, Antônio Vieira Caetano, o Neném do Manelão, disse estar com o sentimento de dever cumprido e se sente realizado com a administração, já que está fazendo uma gestão que não se preocupa apenas com a Expoama, mas em garantir benefícios para os produtores rurais.

“Nós não focamos apenas na feira, temos trabalhado para buscar benefícios para os produtores, como a vacina contra aftosa mais barata. Conseguimos também suspender a cobrança retroativa do Funrural, conseguimos baixar a pauta do boi para fora do Estado. Com a Secretária da Fazenda do Pará, ficou acertada a redução da alíquota do ICMS do boi, de 7% para 5%, uma forma de deixar o nosso produto mais competitivo. Nós também construímos um estacionamento com capacidade para mais de 4 mil veículos, num investimento de R$2,5 milhões e ainda reformamos todo o parque”, contou.

Entre os projetos que pretende deixar para a nova diretoria, está a climatização do Tatersal do parque para ser usado também como salão de eventos e, dessa forma, gerar receita para o sindicato. Neném afirma que, até o final do ano, pretende iniciar o projeto com a reforma dos banheiros do espaço. Outro sonho é implantar um projeto de equoterapia para atender as crianças e adolescentes atendidos pela Apae.

Com 4.875 produtores cadastrados, durante sua gestão o número de filiados saltou de 180 para 290. Neném esclarece que é difícil trazer o produtor para ser um associado: “Deixarei a missão de aumentar ainda mais o número de sindicalizados para o próximo presidente. É preciso afiliar mais pessoas para que a entidade se fortaleça mais”, disse. Ele ainda não sabe se vai permanecer na presidência nos próximos anos, mas disse estar amadurecendo a ideia. As novas eleições para o Sindicato dos Produtores Rurais de Marabá serão em outubro e a nova diretoria assumirá os cargos no dia 5 de janeiro.

 

Na manhã desta quarta-feira (12), os vereadores de Marabá, pastor Ronisteu Araújo, Irismar Melo, Pedro Corrêa, entre outros, realizaram visita ao Centro de Convenções de Marabá, situado na Nova Marabá, às proximidades do Hospital Regional. O empreendimento tem custo de mais de R$ 17.

Os os parlamentares acompanharam a apresentação do projeto arquitetônico, elétrico, e sua infraestrutura como um todo. A exposição foi feita por Antonio Flávio Bentes, engenheiro residente da obra que é realizada pela Quadra Engenharia Limitada.

Flávio faz parte da equipe que dirige as edificações e abordou, entre outras coisas, a área de alimentação, o setor de funcionários, portas de emergência e estética.

Membros do Conselho dos Jovens Empresários de Marabá (CONJOVE) também participaram da visita.

 

O Conjove – Conselho de Jovens Empresários de Marabá – e a ACIM – Associação Comercial e Industrial de Marabá – realizarão a 2ª edição do Liquida Geral nos dias 6 e 7 de outubro. “A campanha tem como principais objetivos: Fortalecimento e União das entidades empresariais, promover o aquecimento das vendas e recuperação de crédito das empresas nas principais ruas comerciais de Marabá e estimular a criação de novas empresas e geração de renda nos setores produtivos da economia local”, ressalta Caetano Reis, Presidente do Conjove Marabá.

Na 2ª edição de Marabá, Conjove e ACIM esperam a adesão de 150 empresas no mínimo e será oferecido o suporte nas áreas de crédito e cobrança e em vendas como a realização do Seminário de Proteção ao Crédito, com palestra destinada a empresários e analistas de crédito e a palestra motivacional destinada a um número maior de comerciários, no intuito de orientar sobre as técnicas de vendas, atendimento e negociação.

Para realização do evento, os organizadores contam com o suporte e coordenação do SEBRAE – Serviço Brasileiro de Apoio a Micro e Pequena Empresa e o Apoio Institucional do SINDICOM – Sindicato Patronal do Comercio Varejista de Marabá, do CDL – Câmara dos Dirigentes Lojistas de Marabá e da SICOM – Secretaria Municipal de Indústria, Comércio, Mineração, Ciência e Tecnologia de Marabá.

O sucesso do evento através da aceitação das empresas e o aumento considerável do volume de negócios realizados credenciaram sua repetição para este ano. Neste sentido, espera-se repetir o grande sucesso do ano passado, quando 80% das empresas participantes tiveram suas vendas em níveis melhores do que o Natal de 2015, e 70% melhores do que o Natal de 2016, dois meses depois do evento.

“Entendendo a importância desse momento da economia para de fato construir uma nova realidade, capturando as oportunidades de negócio ao tempo em que enfatiza a importância do fluxo comercial e de negócio como fatores de desenvolvimento, é que levaram as entidades de classe a impulsionar o potencial dos micros, pequenas e médias empresas do município, através de eventos da classe empresarial, que propiciem o aumento de vendas e atraiam cada vez mais clientes”, alinhavou Caetano.

 

 

Algumas empresas de maquinários agrícolas que não puderam participar da Expoama, em 2016, conseguiram vir esse ano. Um exemplo é a Caterpillar que vai promover uma palestra sobre operação e manutenção de escavadeiras hidráulicas, na sexta-feira, dia 14. Outra novidade da Exposição Agropecuária de Marabá é o estande da Polícia Rodoviária Federal (PRF) que mostra os riscos de acidentes por falta de atenção, vídeos educativos e materiais usados nas fiscalizações como o etilômetro, o famoso bafômetro, que mede o nível de álcool ingerido pelo condutor.  

Segundo o agente Thales Pironi, “um carro acidentado é uma coisa impactante. O nosso estande, além de mostrar os equipamentos usados pela PRF e pelo DMTU, pretende alertar passageiros e condutores sobre os dispositivos de segurança, de não beber e dirigir. Atualmente, é muito comum a prática de digitar e dirigir por causa das redes sociais, o que tem causado acidentes sérios. Escolhemos a Expoama, porque é um dos maiores eventos da cidade, todo mundo vem visitar e o parque fica às margens da rodovia, o que é mais um motivo para alertar os condutores da importância de conscientização de um trânsito seguro”, disse.

O motorista Antônio Neto gostou do que viu e aprendeu no estande da PRF. “No trânsito, em segundos, acontece um acidente. Então é bom para tirar dúvidas, aprender coisas novas, ver como é o dia a dia dos agentes”.

Um estande que chama a atenção, presente na feira pela primeira vez, é o de energia solar e segurança. Lá é possível ver algumas placas solares que podem ser usadas separadas ou integradas aos dispositivos de segurança do imóvel. O produto tem começado a ganhar espaço junto aos produtores rurais porque a energia no campo cai com frequência. Elton Pedro, dono da empresa, explica que para montar um sistema de energia solar é necessário fazer um projeto e orçamento baseados nos utensílios e eletrônicos do imóvel. A empresa disponibiliza vários kits, o mais básico tem capacidade para mil watts.

“O sistema faz a captação, no modo offgrid com bateria, ele passa por um controlador de carga, vai para a bateria, em seguida para o inversor, para ligar os equipamentos. Hoje tem também o sistema ongrid que é ligado à rede, formado pela placa e o controlador. Durante o dia, usa-se com a placa e, à noite, a rede elétrica. Se chegar um ponto de gerar muita energia, ela será injetada na rede da concessionária, o que vai gerar um crédito que pode ser descontado em outra unidade consumidora cadastrado com o mesmo CPF”, explicou o proprietário.

Apesar de não ser novidade para quem sempre visita a Expoama, um estande bem visitado é a Feira de Artesanato promovida pela Secretária Municipal de Assistência Social. O público pode levar para casa bijuterias, artigos de decoração, roupas, objetos religiosos - peças únicas, confeccionadas por 30 dos 100 artesãos cadastrados na SEASP.

“É um ganho muito grande para os próprios artesãos que têm um espaço para mostrar e vender os produtos. Nós temos sempre que incentivar e a gente está atrás do microcrédito para impulsionar outras famílias que não tenham outra fonte de renda e possam trabalhar com artesanato”, contou Nadja Lúcia, secretária de Assistência Social de Marabá.

Passeando pelo parque é difícil não parar para admirar os móveis rústicos fabricados manualmente por uma família de Novo Repartimento. Uma raiz ou um tronco de uma árvore morta ou caída na mata se transformam em apoios de mesa, escrivaninha, espelho e outros objetos.  Comparado aos preços de lojas do ramo, os valores são muito mais em conta e os proprietários fazem entregas até para outros estados.

“Os pés são de madeiras reaproveitáveis, toras de derrubadas, abandonadas, velhas, que apodreceriam na mata. A gente vende bastante pelo diferencial, porque fica o mais rústico possível”, contou Kauilly Conceição, uma das vendedoras.

(Fonte: Ascom Expoama)

 

Após o lançamento pelo governo federal da concessão apenas do trecho sul da ferrovia Norte Sul, entre os municípios Porto Nacional (Tocantins) e Estrela D'Oeste (São Paulo), cujo edital deverá ser disponibilizado em 14 de novembro, o secretário estadual de Desenvolvimento Econômico, Adnan Demachki, e o senador Flexa Ribeiro (PSDB-PA) estiveram com o ministro dos Transportes, Maurício Quintella, e equipe para tratar do outro trecho da ferrovia, o trecho Norte, que deverá interligar a cidade de Açailândia, no Maranhão, ao porto de Barcarena, no nordeste paraense, mas por intermédio da Ferrovia Paraense, projeto do Governo do Pará já adotado pelo governo federal como a perna norte da ferrovia Norte Sul.

A Secretaria Especial do Programa de Parcerias de Investimentos, chefiada pelo ministro Moreira Franco, informou via ofício ao Governo do Pará a intenção de viabilizar o projeto da Ferrovia Paraense. "O projeto ligará a Ferrovia Norte-Sul ao porto de Vila do Conde, razão pela qual o trecho Açailândia a Barcarena não foi qualificado pelo Conselho do PPI no escopo da Ferrovia Norte-Sul'', diz o documento.

Na reunião com o ministro Quintella, esta semana, o secretário Adnan Demachki apresentou o estágio do processo da ferrovia paraense, os estudos de viabilidade, o processo de licenciamento ambiental e a informação dos players interessados. As duas equipes técnicas, do governo federal e do governo do Estado, deverão se encontrar em Brasília numa reunião de trabalho até o final deste mês.

O projeto

O projeto da Ferrovia Paraense prevê 1.312 quilômetros de extensão que passará por 23 municípios, interligando o leste do Pará de norte a sul. O empreendimento conectará Barcarena, no norte do Estado, à Santana do Araguaia, no sul paraense. São previstos aproximadamente 70 mil empregos diretos e indiretos durante a execução da obra, cujo custo está estimado em 14 bilhões de reais.

O Relatório de Impacto Ambiental (RIMA) referente ao projeto encontra-se à disposição de interessados para consulta no Núcleo de Documentação e Arquivo da Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Sustentabilidade (Semas), na travessa Lomas Valentinas, 2717, bairro do Marco, em Belém. A Secretaria de Estado de Desenvolvimento Econômico também informa que o citado documento está acessível no site do órgão, pelo endereço eletrônico http://sedeme.com.br/portal/.

(Fonte: Agência Pará)