Geração de Negócios, atendimento, capacitação, formalização, canais de comercialização e encontros de negócios, tudo voltado para o microempreendedor individual (MEI) em um só lugar: a 9ª Semana do Microempreendedor Individual, que este ano ocorre de hoje (8) a sexta-feira (12) em 45 municípios de todo o Estado. Em Marabá, haverá programação especial no escritório do Sebrae - Carajás I e também nos municípios de Goianésia, Rondon do Pará e Nova Ipixuna.

O diferencial desta edição será a atuação segmentada, destacando os  segmentos de alimentos e bebidas, moda e vestuário, beleza e estética. “Faremos o atendimento básico para os empreendedores e ofereceremos informações de mercado de acordo com o segmento de cada empreendimento, visando oportunidades e tendências de negócios”, explica Fabrizio Guaglianone, diretor-superintendente do Sebrae no Pará.

A programação da Semana MEI em Marabá inclui oficinas, palestras, atendimentos e consultorias em finanças e marketing e palestras sobre linhas de crédito do Banco da Amazônia, Sicred e Banco do Brasil. No dia 11, haverá ainda a palestra de oportunidades de negócios para um shopping local, que oferecerá espaços comerciais a preços promocionais aos MEIs que participarem da Semana.

As atividades da Semana MEI serão extensivas aos municípios de Goianésia e Nova Ipixuna, também com palestras, oficinas e atendimentos com orientações aos microempreendedores individuais.

Temas

A 9ª Semana do MEI no Pará terá como temas: orientação para o crédito, inovação, captação de clientes e aumento de vendas por meio do atendimento especializado, capacitação e encontros de negócios.

Segmentos:

·         Atendimento: formalização, regularização e orientação técnica; além dos temas relacionados aos MEI, o Sebrae vai oferecer atendimento especializado referentes às principais oportunidades de negócios para os MEI, conteúdos segmentados, entre outros.

·         Capacitação: palestras, oficinas, clínicas e consultorias;

Atendimentos – 43 anos do Sebrae no Pará

A Semana também é voltada para o atendimento ao MEI que precisa de orientação para regularizar pendências, fazer a declaração anual de faturamento, se capacitar participando dos cursos oficinas. Em suma, os assuntos que estão no foco da Semana são importantes para os negócios dos microempreendedores individuais: a declaração de faturamento que precisa ser entregue até 31 de maio, caso contrário ele pode ter sérios problemas com o Fisco; os microempreendedores inadimplentes, uma taxa bem alta no Pará (em janeiro de 2017 estava em 74,97% no estado e no Brasil foi de 64,56%) também podem ter prejudicados os empreendimentos por causa do não cumprimento de obrigações.

As oficinas da programação vão abordar diversos temas que são tratados em soluções criadas pelo Sebrae especificamente para essa categoria: Sei comprar, Sei vender, Sei controlar o meu dinheiro, Sei, crescer, Sei planejar e Sei crescer. As palestras vão tratar de assuntos como finanças, marketing pessoal, passo a passo para formalização como Mei, linhas de crédito, microcrédito, contratação de empregados, entre outros.

Destaque ainda para o fato de o evento ser realizado no próprio escritório do Sebrae na região, pois a ideia é justamente aproximar o empreendedor da instituição, para que o mesmo conheça as instalações e veja o Sebrae como a sua “casa”, em uma época muito significativa, quando o Sebrae no Pará completa 43 anos de atuação, no próximo dia 10 de maio.

Informalidade

No Pará, estima-se que haja 319.787 mil empreendimentos informais, segundo a Pesquisa Economia Urbana Informal – ECINF. Para o Sebrae, isso significa um potencial para o crescimento do número de MEI no estado.

MEI

A Lei Complementar nº 128, de 19/12/2008, criou condições especiais para que o trabalhador conhecido como informal possa se tornar um MEI. Para ser um deles, é preciso:

·         Ter faturamento de, no máximo, R$ 60 mil ao ano.

·         Não participar como sócio ou titular de outra empresa ou cooperativa ou outro tipo de entidade.

·         Não ter sócio na atividade desenvolvida

·         Exercer atividade permitida ao MEI.

·         Não possuir filial (ter só um estabelecimento/ponto comercial).

·         Ter, no máximo, um funcionário apenas.

Ao se tornar MEI, a pessoa ganha cidadania empresarial com CNPJ e, com isso, pode emitir nota fiscal, participar de licitações públicas, tornar-se um segurado da Previdência Social e ter acesso mais fácil a empréstimos.

O MEI é enquadrado no Simples Nacional e está isento dos tributos federais (Imposto de Renda, PIS, Cofins, IPI e CSLL). Assim, paga apenas o valor fixo mensal de – R$ 47,85 (comércio ou indústria), R$ 51,85 (prestação de serviços) ou R$ 52,85 (comércio e serviços), valor destinado à Previdência Social e ao ICMS ou ao ISS. Essas quantias são atualizadas anualmente, de acordo com o salário mínimo.

O pagamento desses valores é feito por meio do Documento de Arrecadação do Simples Nacional (DAS), que pode ser gerado por qualquer pessoa em qualquer computador conectado à internet. O pagamento deve ser feito na rede bancária e casas lotéricas, até o dia 20 de cada mês.

 

Apenas nos três primeiros meses do ano, 343.040  pessoas  se formalizaram como MEI no Brasil. No Pará, uma média de 53 pessoas se tornam MEI por dia, o que totalizou 5.912 novos MEI nos três primeiros meses do ano. Desde que a figura jurídica foi criada, em julho de 2009, já são 6.992.936  MEI no País e 169.287 no estado.

De hoje (8) até sexta-feira (12), a Celpa realiza em Parauapebas, a 170 km de Marabá, o Projeto Negociar. A ação tem o intuito de promover a conciliação para os clientes que possuem débitos pendentes junto a empresa. O evento ocorre de 8h às 17h nas dependências do Tribunal do Júri, no Fórum Cível de Parauapebas, localizado na Rua C, quadra Especial s/n, no bairro da Cidade Nova. A iniciativa é realizada em parceria com o Tribunal de Justiça do Pará, por meio do Centro Judiciário de Solução de Conflitos e Cidadania (Cejusc).

A semana de conciliação será destinada a cerca de 800 consumidores de Parauapebas, que foram convocados por meio de carta convite, encaminhada pelo Tribunal de Justiça do Estado, a comparecer na negociação. A expectativa da distribuidora é atender e buscar soluções para todos os casos apresentados e, assim, evitar que os mesmos se transformem em demandas judiciais.

Conforme explica um dos líderes da área Jurídica da Celpa, Carlos Eduardo Rodrigues, o projeto é uma ótima alternativa para quem pretende eliminar suas pendências com a distribuidora. “A Celpa é uma empresa que se preocupa em oferecer o máximo de alternativas possíveis para o cliente quitar suas dívidas. Trata-se de mais uma oportunidade oferecida para a população de Parauapebas que pretende resolver suas pendências financeiras com a distribuidora, agora sob a chancela e parceria do CEJUSC, núcleo de conciliação e mediação coordenado pela Juíza de Direito Eline Vieira, pois todos os acordos serão homologados e terão eficácia de título executivo judicial, o que confere maior segurança jurídica entre os envolvidos na negociação”, avalia o advogado.

 

Realizado desde do ano passado, o Projeto Negociar já proporcionou o atendimento de 382 consumidores, sendo que em 329 casos foram realizados acordos. Total que resultou em um saldo positivo de 86% de demandas resolvidas. Na mais recente rodada de negociações do projeto, realizada em Belém no mês passado, foram cerca de 120 acordos fechados com êxito, que trouxeram entendimento entre empresa e cliente.

Servidores da Secretaria Municipal de Meio Ambiente (Semma) e a Ambiental Saneamento (autarquia municipal) estão trabalhando para limpar as margens do Rio Tocantins na Marabá Pioneira. O trabalho consiste em retirar do rio, dejetos jogados por populares que consomem produtos e as sobras lançam nas águas como: Garrafas Peti, latinhas de cerveja, palitos de picolé e muitas sacolas plásticas, dentre outros que poluem as águas do nosso Tocantins.

De acordo com o titular da Semma, engenheiro Valber André Araújo, trata-se de lixo composto de material variado, com grande quantidade de garrafas pet. Foram recolhidos mais de 100 sacos de resíduos.O trabalho vai se intensificar durante todo esse restante do mês de abril ou até que as margens estejam todas limpas. De acordo com Válber, a população pode colaborar não jogando objetos no rio. “Estamos intensificando essas ações na Orla, que é nosso cartão postal, mas que é preciso principalmente o apoio da comunidade”. Ressalta.

Mas nada disso adianta se a população não ajudar. O rio não pode ser exposto a toda e qualquer ordem de resíduos nele depositado. A população tem tarefa importante na manutenção da limpeza.

(Fonte: Ascom/PMM)

Para garantir a segurança do paciente, unidades de assistência à saúde realizam seus procedimentos baseados em evidências científicas e clínicas. Isso é possível a partir da utilização de ferramentas como os protocolos clínicos, desenvolvidos para ajudar os profissionais a decidirem sobre as melhores condutas terapêuticas a serem seguidas. Dessa forma, para permitir maior rapidez e eficácia ao atendimento de vítimas de traumatismo cranioencefálico, o Hospital Regional do Sudeste do Pará - Dr. Geraldo Veloso (HRSP), em Marabá, adotou o Protocolo de Traumatismo Cranioencefálico (TCE). O objetivo é reduzir os riscos de complicações pós-trauma e instituir tratamento precoce desde o Acolhimento, porta de entrada na unidade.

O TCE é uma das principais causas de atendimento no HRSP - unidade pública gerenciada pela Pró-Saúde Associação Beneficente de Assistência Social e Hospitalar, sob contrato com a Secretaria de Estado de Saúde Pública (Sespa). A instituição é referência em trauma de média e alta complexidades para 22 municípios paraenses. Em geral, os casos atendidos são provocados por acidentes de trânsito.

Segundo o neurocirurgião do HRSP, Sandro Cavalcante, um dos envolvidos na criação do protocolo, o novo fluxo orienta as medidas que devem ser adotadas no primeiro atendimento ao paciente, dependendo da gravidade do caso. ‘‘Muitas vezes, esse organograma determina que a maior urgência é fazer o suporte clínico do paciente e aguardar um tempo para fazer a tomografia. Em outras situações, deve-se fazer a tomografia primeiro e o suporte clínico vem depois. Assim, o médico vai ser capaz de estratificar quem são os pacientes que precisam de um suporte clínico emergencial mais do que correr para fazer uma tomografia e chamar um neurocirurgião’’, explica Sandro.

O diretor Técnico da unidade, urologista Cassiano Barbosa, argumenta que o novo protocolo adotado também tem o objetivo de reduzir casos de óbitos de pacientes atendidos com esse perfil. ‘‘Estamos iniciando com um pacote de medidas, com uma prescrição inicial da assistência no Acolhimento. Vamos monitorar as evoluções a partir de indicadores e, posteriormente, poderemos desenvolver outros. Mas a ideia básica é que nós podemos mensurar o atendimento ao traumatismo cranioencefálico, corrigir algum desvio e, assim, ampliar a segurança do paciente’’, comenta o diretor Técnico.

Para o diretor-geral da unidade, Valdemir Girato, o maior beneficiado é o paciente. ‘‘A maioria dos nossos pacientes chega aqui por conta de acidentes automobilísticos, e são casos graves, pacientes realmente de emergência. Assim, seguindo o protocolo, o atendimento dele vai ser mais seguro, mais preciso e mais rápido’’, afirma o administrador.

Nesse sentido, o Protocolo de TCE se une a outras medidas adotadas pelo Hospital Regional de Marabá para assegurar uma assistência qualificada, como os Protocolos de Segurança do Paciente, estabelecidos pelo Ministério da Saúde, por meio do Programa Nacional de Segurança do Paciente, e a classificação de riscos assistenciais, avaliados no momento de admissão do usuário e cujo objetivo é identificar os riscos de queda, lesão por pressão e alergia a medicamentos, fatores que podem comprometer a recuperação no ambiente hospitalar.

 

(Fonte: HRSP) 

 

A juíza titular da Comarca de Parauapebas, Juliana Lima Souto Augusto, acatou o pedido do MPPA feito pelo promotor de Justiça Hélio Rubens Pinho Pereira e decretou no último dia 26 de abril que o prefeito municipal realize nomeação e convocação de candidatos classificados no concurso público realizado em 2014, na cidade.

De acordo com o promotor Hélio Rubens, desde a homologação do certame as nomeações não aconteceram de forma natural, pois até o momento não foram preenchidas as vagas disponibilizadas, motivo pelo qual foi instaurado inquérito civil público para averiguar as contratações de servidores temporários e acompanhar as nomeações dos candidatos classificados no concurso.

“Constatou-se que realmente houve a convocação dos candidatos classificados dentro do número de vagas previsto no edital, porém, nem todos tomaram posse” ressaltou a juíza Juliana Augusto.

Entre os cargos a serem preenchidos estão engenheiro sanitarista, médico do trabalho, sociólogo, eletricista, economista, assistente social, psicólogo, nutricionista, entre outros. O município de Parauapebas deverá cumprir a liminar da Justiça em 60 dias, devendo juntar aos autos comprovantes das nomeações realizadas e termos de posse, no mesmo prazo. Em caso de descumprimento, fixa multa diária no valor de R$ 10 mil, a ser paga pelo ente público e pelo prefeito da cidade.

(Fonte: MPPA)

Esta semana, o Ministério Público do Estado (MPPA), representado pelos promotores de justiça Josélia Leontina de Barros Lopes, Aline Tavares Moreira, Gilberto Lins de Souza Filho (PJ São João do Araguaia) e Samuel Furtado Sobral (PJ de São Domingos do Araguaia), realizou, na sede das Promotorias de Justiça de Marabá, reunião para tratar de assunto referente à instalação do aterro sanitário do Município de Marabá, para solucionar o problema da destinação de lixo nos Municípios da região.

Durante a reunião o secretário de Urbanismo de Marabá, Múcio Andalécio, representando o prefeito Tião Miranda, disse que o aterro sanitário atual está se exaurindo, e que preciso encontrar outra área para essa finalidade. “O novo aterro tem que ficar localizado a pelo menos 20 km do centro urbano. É também nossa intenção, realizar um consórcio com outros 3 municípios próximos, como por exemplo São João do Araguaia, Brejo Grande do Araguaia e São Domingos do Araguaia. Essa intenção é boa, pois os custos serão divididos entre os municípios”, explicou o secretário de Urbanismo.

Segundo o engenheiro da Escoari Engenharia, Francisco, a principal motivação em direcionar o aterro para o município de São Joao é a questão logística, observando principalmente que tal fato consegue obedecer a distância mínima do aeroporto, que é de 20 km, e ainda a distância dos rios e área de preservação permanente (APP’S). “Os dejetos poderão ser tratados no aterro sanitário, trazendo benefício para toda a região além de ser a opção mais econômica para o projeto. É necessário que o solo seja tipo argiloso, que não tenha curso de água próximo ao aterro, assim a viabilidade do aterro seria para duração de trinta anos”, explicou Francisco.

Contudo, será preciso fazer um estudo preliminar para saber o quanto de lixo é produzido por cada município, além de que será importante fazer uma separação de todo o material a ser levado para o aterro, sendo assim, a usina de reciclagem deveria ficar próxima do aterro. “Será necessário fazer um trabalho de conscientização com a população de cada município que fizer parte do consócio para que o projeto possa ter resultados positivos no curto espaço de tempo”, disse a promotora Josélia.

Foi definido pelos participantes, inicialmente, uma nova reunião para o dia 12 de maio as 9h, na qual deverá ser apresentado um protocolo de intenções a ser elaborado pelo Município de Marabá e ser submetido a deliberação dos demais municípios.

 

 (Fonte: MPPA)

A Vila Itainópolis, distante a 75 km de Marabá, comemora a inauguração da primeira biblioteca da localidade. A sua instalação e funcionamento é resultado da parceria dos moradores com a Vale, por meio da área de Relações com Comunidade. A estrutura do espaço integra a Escola Municipal de Ensino Fundamental Marechal Rondon, única na vila e que atende aproximadamente 400 alunos dos ensinos fundamental e médio. Além do acervo bibliográfico, o espaço conta com uma sala de informática, equipada com computadores  para que os estudantes possam ampliar as suas pesquisas escolares.

A analista de Relações com Comunidades, Renata Velloso, explica que a biblioteca foi um sonho construído a várias mãos. “Muitas pessoas doaram seu tempo e seu conhecimento para que pudéssemos atingir o objetivo. Hoje, esse espaço está equipado com toda a estrutura para melhorar o ensino e aprendizagem dessas crianças e jovens”, diz ela. A coordenadora pedagógica da escola, Maria da Conceição Oliveira, reforça a importância do espaço: “a biblioteca vai contribuir para o aprendizado dos alunos de maneira integral, pois servirá para a pesquisa e a sala de informática e também servirá para a comunidade que queira aprimorar seu conhecimento”.

Bruno Amaral, 23 anos, que estudou na escola e foi um dos voluntários que ajudou na construção do prédio da biblioteca. “Minha história com a escola é enorme, porque estudei e trabalhei aqui e sou nascido na vila. Só de saber que essas crianças e jovens vão aprender a mexer em um computador me dá uma alegria imensa, porque eles terão a oportunidade que não tive e, hoje, tudo gira em torno de um computador. É um sonho realizado”, descreve.

 

(Fonte: Ascom/Vale)

De hoje (24) até sexta-feira (28), o Hospital Regional do Sudeste do Pará - Dr. Geraldo Veloso (HRSP), em Marabá, promove a 30ª Campanha de Doação Voluntária de Sangue da unidade. A ação é feita em parceria com a Fundação Centro de Hemoterapia e Hematologia do Pará – Hemopa Marabá, tendo como meta garantir, pelo menos, 120 doações para ajudar a repor o banco de sangue da região.

A coleta acontece no Hemopa Marabá, ao longo de toda a semana, no período das 7h às 13h. Mas, nesta terça-feira (25), será no Hospital Regional, no dia 25/4, das 8h às 16h.

Requisitos básicos para doar sangue

» Estar em boas condições de saúde.

» Ter entre 16 e 69 anos, desde que a primeira doação tenha sido feita até 60 anos (menores de 18 anos, clique para ver documentos necessários e formulário de autorização).

» Pesar no mínimo 50kg.

» Estar descansado (ter dormido pelo menos 6 horas nas últimas 24 horas).

» Estar alimentado (evitar alimentação gordurosa nas 4 horas que antecedem a doação).

» Apresentar documento original com foto recente, que permita a identificação do candidato, emitido por órgão oficial (Carteira de Identidade, Cartão de Identidade de Profissional Liberal, Carteira de Trabalho e Previdência Social).

Impedimentos temporários

» Resfriado: aguardar 7 dias após desaparecimento dos sintomas.

» Gravidez

» 90 dias após parto normal e 180 dias após cesariana.

» Amamentação (se o parto ocorreu há menos de 12 meses).

» Ingestão de bebida alcoólica nas 12 horas que antecedem a doação.

» Tatuagem / maquiagem definitiva nos últimos 12 meses.

» Situações nas quais há maior risco de adquirir doenças sexualmente transmissíveis: aguardar 12 meses.

» Acre, Amapá, Amazonas, Rondônia, Roraima, Maranhão, Mato Grosso, Pará e Tocantins são estados onde há alta prevalência de malária. Quem esteve nesses estados deve aguardar 12 meses.

» Qualquer procedimento endoscópico (endoscopia digestiva alta, colonoscopia, rinoscopia etc): aguardar 6 meses.

» Extração dentária (verificar uso de medicação) ou tratamento de canal (verificar medicação): por 7 dias.

» Cirurgia odontológica com anestesia geral: por 4 semanas.

» Acupuntura: se realizada com material descartável: 24 horas; se realizada com laser ou sementes: apto; se realizada com material sem condições de avaliação: aguardar 12 meses.

» Vacina contra gripe: por 48 horas.

» Herpes labial ou genital: apto após desaparecimento total das lesões.

» Herpes Zoster: apto após 6 meses da cura (vírus Varicella Zoster).

» Febre Amarela: quem tomou a vacina deve aguardar 04 semanas; quem contraiu a doença deve aguardar 6 meses após recuperação completa (clínica e laboratorial); e quem esteve em região onde há surto da doença deve aguardar 30 dias após o retorno.

Impedimentos definitivos

» Hepatite após os 11 anos de idade. *

» Evidência clínica ou laboratorial das seguintes doenças infecciosas transmissíveis pelo sangue: Hepatites B e C, AIDS (vírus HIV), doenças associadas aos vírus HTLV I e II e Doença de Chagas.

» Uso de drogas ilícitas injetáveis.

» Malária.

* Hepatite após o 11º aniversário: Recusa Definitiva; Hepatite B ou C após ou antes dos 10 anos: Recusa definitiva; Hepatite por Medicamento: apto após a cura e avaliado clinicamente; Hepatite viral (A): após os 11 anos de idade, se trouxer o exame do diagnóstico da doença, será avaliado pelo médico da triagem.

 

 

O município de Parauapebas, no sudeste do Pará, também está na rota da produção científica mundial. Desde o início deste ano, o Herbário de Carajás (HCJS), criado e mantido pela Vale, está registrado junto ao Index Herbariorum (IH), instituição que atua como certificador da seriedade das coleções científicas, gerenciado pelo The New York Botanical Garden (Jardim Botânico de Nova York) e passa agora também a ser fonte de referência e consulta internacional sobre flora.

Segundo o analista ambiental e curador do HCJS, Lourival Tyski, "um herbário tem como função primordial documentar pesquisas botânicas". O Herbário de Carajás, que está localizado no coração da Floresta Nacional de Carajás, na área do Parque Zoobotânico Vale (PZV), conta com um acervo de cerca de cinco mil registros de plantas agrupadas em 163 famílias. "A partir da inclusão, nós ingressamos na rede internacional de herbários e também poderemos ser consultados como fontes para pesquisas sobre a flora da região de Carajás", explica Tyski.

Ainda de acordo com o curador, a contribuição do herbário vai além das pesquisas científicas. "O registro no Index Herbariorum reforça, perante a comunidade científica, o compromisso da Vale com a preservação do meio ambiente e mostra a preocupação da empresa em contribuir e proporcionar um legado para a região. Nosso acervo é mantido ad aeternum (para todo o sempre) e está disponível para consultas", conclui.

 

(Fonte: Vale)

Está em busca de alternativas para iniciar os estudos? Saiba como conseguir uma bolsa ainda esse ano pelo Educa Mais Brasil e economizar até 70% nas mensalidades. No Pará, são mais de 45.400 bolsas disponíveis, incluindo Marabá.

Quem deseja matricular o filho em uma escola, iniciar um curso superior ou ingressar em um curso técnico, de idiomas, profissionalizante, preparatório para concursos ou pré-vestibular, geralmente pensa em fazer isso no início do ano.

E é justamente nesta época que aparecem várias oportunidades, principalmente para os que não possuem condições de pagar o valor integral de uma mensalidade. Entre elas, estão as disponibilizadas pelos programas do Governo Federal, como o Programa Universidade para Todos – Prouni e o Financiamento Estudantil – Fies, mas há aquelas pessoas que não se adequam aos requisitos destes programas, não querem assumir despesas após a formação ou simplesmente perderam o prazo para fazer a inscrição.

A boa notícia é que os estudantes de todo o país estão encontrando nas bolsas de estudo do Educa Mais Brasil a solução para ter acesso a instituições de qualidade, com mensalidades que cabem no bolso e com a possibilidade de conseguir o benefício ainda em 2017, já que o programa seleciona e encaminha os candidatos aprovados para diversas instituições o ano inteiro. É o caso dos mais de 400 mil alunos que se inscreveram e já foram contemplados com as bolsas de estudo.

De acordo com a Diretora de Expansão e Relacionamento do Educa Mais Brasil, Andréia Torres, o programa fortalece o setor educacional brasileiro ao oferecer oportunidades para aqueles que não têm condições de arcar com mensalidades em sua totalidade. “Sabemos que o ingresso a uma educação de qualidade muitas vezes requer disponibilidade financeira e o papel do Educa Mais Brasil é dar uma ajuda às pessoas que querem atingir os seus objetivos acadêmicos.”

Os interessados devem acessar o site www.educamaisbrasil.com.br, procurar o curso de interesse e realizar a inscrição de forma gratuita. Mais informações podem ser obtidas na central de atendimento pelos telefones 4007-2020 para Capitais e Regiões Metropolitanas ou 0800 724 7202 para demais localidades.

Confira as cidades do Estado com bolsas disponíveis:

Abaetetuba

Alenquer

Altamira

Ananindeua

Anapu

Augusto Corrêa

Barcarena

Belém

Belterra

Benevides

Bragança

Breves

Cametá

Canaã dos Carajás

Capanema

Capitão Poço

Castanhal

Castelo dos Sonhos

Conceição do Araguaia

Coqueiro

Curionópolis

Curuá

Curuçá

Dom Eliseu

Eldorado dos Carajás

Goianésia do Pará

Icoaraci

Igarapé-Açu

Itaituba

Itupiranga

Jacundá

Juruti

Marabá

Marituba

Monte Alegre

Monte Dourado

Moraes de Almeida

Muaná

Nova Esperança do Piriá

Novo Repartimento

Óbidos

Oriximiná

Ourilândia do Norte

Outeiro

Paragominas

Parauapebas

Porto de Moz

Redenção

Rurópolis

Santa Izabel do Pará

Santa Maria das Barreiras

Santana do Araguaia

Santarém

São Domingos do Araguaia

São Félix do Xingu

São Geraldo do Araguaia

São Miguel do Guamá

Tailândia

Tracuateua

Tucumã

Tucuruí

Ulianópolis

Uruará

Vigia

 

Xinguara

A dona de casa Maria Raimunda da Conceição, de 31 anos, foi uma das moradoras do bairro Vale do Itacaiúnas, no núcleo Cidade Nova, em Marabá, beneficiadas pela nona edição do projeto 'Hospital Regional Amigo da Comunidade'. Ela aproveitou a ação para levar os três filhos para consulta. A iniciativa foi promovida pelo Hospital Regional do Sudeste do Pará - Dr. Geraldo Veloso (HRSP) - unidade pública gerenciada pela Pró-Saúde Associação Beneficente de Assistência Social e Hospitalar, sob contrato com a Secretaria de Estado de Saúde Pública (Sespa) - que ofereceu consulta médica e de Enfermagem, teste de glicemia capilar e aferição de pressão arterial na Associação Projeto Semear, nesta quinta-feira, 13/4.

A autônoma Maria de Nazaré Santos, de 50 anos, foi a primeira a receber atendimento médico. Ela falou ainda sobre o acesso a serviços de saúde para aquela comunidade. 'O atendimento prestado foi muito bom. Essa ação facilitou, e muito, a nossa vida porque, na correria, nem sempre temos tempo para nos cuidar', disse a usuária.

Segundo o presidente da organização não governamental, Ailton Souza, os serviços prestados pelo hospital beneficiaram, principalmente, famílias numerosas e idosos que, sem transporte próprio, têm dificuldade para se dirigir a um hospital ou mesmo ao posto de saúde, como é o caso da dona de casa Maria Franciene Carvalho, de 26 anos, que não hesitou em participar da ação, mesmo com nove dias de operada. 'Assim que ouvi o aviso do carro som na rua, organizei as coisas em casa para vir agora. Trouxe meu bebê recém-nascido e minha filha. Não podia deixar de aproveitar o atendimento oferecido perto de casa', comentou.

De acordo com a coordenadora de Humanização do Hospital Regional de Marabá, Caroline Nogueira, o projeto tem o objetivo de contribuir com a melhoria da qualidade de vida da população. 'Por isso, enquanto as pessoas aguardavam a consulta, conversamos com elas sobre fatores de riscos e complicações de doenças cardiovasculares, incentivando-as a adotar, sempre, um estilo de vida saudável para, assim, viver melhor', disse a fisioterapeuta.

Em nove edições, o projeto 'Hospital Regional Amigo da Comunidade' já atendeu mais de 1.000 pessoas na zona rural, aldeia indígena e comunidades urbanas em situação de vulnerabilidade social em Marabá.

(Fonte: Ascom/HRSP)

 

 

O Departamento de Postura da Prefeitura Municipal de Marabá está com ação permanente em toda a cidade, promovendo a retirada de sucatas e desobstrução de passeios e áreas públicas. De acordo com a coordenação do órgão, mais de 20 kombis; 70 caminhões cheios de ferro velho; 30 outdoors; e  mais de 50 carros que impediam o passeio público; e uma grande quantidade de material de construção, especialmente areia e seixo foram removidos das vias públicas.

A Postura recomenda aos construtores que utilizem contêineres para depósito de material de construção ou retirá-lo para o interior do imóvel, deixando sempre o espaço destinado ao transeunte.

Descarte de lixo

Depois de retirar toneladas de sucatas, carros velhos, material de construção, dentre outros das vias públicas de Marabá, a Secretaria Municipal de Serviços Urbanos (Semsur), por meio do Departamento de Postura, agora inicia fiscalização de empresas e açougues que descartam lixo e carcaças de animais nas ruas ou locais impróprios, mesmo que sejam afastados do centro urbano.

Segundo Túlio Pereira, Coordenador da Postura, os proprietários desses açougues e/ou empresas que jogam detritos em locais impróprios devem procurar a Semsur (prédio da Secretaria de Obras), e pedir autorização para depositar seus dejetos no Aterro Sanitário.

 

(Fonte: ASCOM)

O Ministério Público do Estado do Pará por meio das Promotoras de Justiça Mayanna Silva de Souza Queiroz e Josélia Leontina de Barros Lopes, reuniu com representantes do 11º Centro Regional de Saúde (CRS) da Secretaria de Estado de Saúde Pública (Sespa) e Secretaria Municipal de Saúde de Marabá para tratar sobre os casos de Leishmaniose no município. Segundo a promotora de Justiça Mayanna Queiroz, “houve um aumento nos casos de Leishmaniose no município e medidas precisam ser tomadas para impedir esse aumento’’ explicou.

O secretário municipal de Saúde de Marabá, Marcone Leite, informou a necessidade da criação de um plano de ação envolvendo outros órgãos parceiros, como o exército, demais secretarias do município e ONGs instaladas na cidade. O secretário ainda apontou a necessidade da Secretaria Municipal de Saúde de desenvolver um protocolo de atuação. “O município está se expandindo e as pessoas estão indo ao encontro do mosquito com seus animais. Deve haver uma ação envolvendo estas famílias que tem animais em casa para a doença não se alastrar” afirmou Ademar Moreira, responsável pelo controle de endemias da Secretaria Municipal de Saúde. A promotora de Justiça Josélia Lopes argumentou: “este surto iniciou na cidade de São Geraldo do Araguaia e não houve um trabalho de prevenção no início, o que levou ao surto que está acontecendo hoje. Não está sendo feito o diagnóstico correto na rede pública”

O médico veterinário do Centro de Controle de Zoonoses (CCZ) da Secretaria Municipal de Saúde, Nagilvan Amoury, explicou que não há predador para o mosquito e que diferente do mosquito da dengue (aedes aegypti) que se multiplica em água, o mosquito palha está em vários outros locais, como frutas que caem das árvores.

“As medidas para a Leishmaniose devem ser permanentes, pois a doença é transmitida por vetor. A borrifação deve ser feita em três ciclos, com intervalo de noventa dias. No bairro Nossa Senhora Aparecida, foram feitos apenas o primeiro e segundo ciclos, assim como no bairro São Félix e não houve continuidade. A Sespa não adquire os produtos, a aquisição é feita pelo município e precisa ser trabalhado com equipamentos e EPI’s necessários. É preciso organizar para solicitar ao Ministério da Saúde os materiais a fim de dar a continuidade ao processo”, explicou Ana Raquel Miranda que trabalha na vigilância em saúde da Sespa 11º CRS.

O Diretor do 11º Centro Regional de Saúde da Sespa, Geraldo Barroso, informou que a Sespa dispõe de quinze bombas para borrifação e que já estão cedidas para a Secretaria Municipal de Saúde, mas que será necessário um reforço. A veterinária do CCZ Stella Barroso, informou que os trabalhos se iniciaram ao contrário e que se procurou trabalhar a consequência da doença, com a eutanásia de animais. “Na verdade deve ser trabalhado o combate ao mosquito, pois é triste para as pessoas entregarem seus animais para a eutanásia. O medicamento anestésico também é muito caro. O CCZ precisa de mais dois veterinários para fazer cirurgias de castração de animais”. A Leishmaniose deve ter como primeiro passo de prevenção a procura pelo mosquito, pois existem locais que possuem um número maior de infestação. O último levantamento entomológico foi feito em junho de 2016 e deve ser realizado novo levantamento para identificação dos locais com maior infestação do mosquito no município de Marabá.

Na reunião foram deliberadas as seguintes medidas: criação de uma comissão composta pelas secretarias estadual e municipal de saúde para elaboração de plano de ação a ser apresentado no prazo de quinze dias; realização de um levantamento entomológico no município de Marabá; reunião com possíveis parceiros enquanto é formulado um plano de ação; a Sespa deverá encaminhar ao MPPA e à Secretaria Municipal de Saúde a relação de insumos e materiais necessários em um prazo de quarenta e oito horas e, por fim, a Secretaria Municipal de Saúde em parceria com a Secretaria Municipal de Educação e suas assessorias de comunicação deverão providenciar elaboração de mídias educativas para distribuição nos dias de ação e encaminhamento para veiculação à televisão, rádio e jornais.

 

(Fonte: MPPA)